EPIDEMIA DE COVID 19 - PRONUNCIAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA ONCOLÓGICA

Voltar



EPIDEMIA DE COVID 19: I

PRONUNCIAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA ONCOLÓGICA EM RELAÇÃO AO DIAGNÓSTICO E CIRURGIAS DE PACIENTES COM CÂNCER.

 

16 de março de 2020

 

À medida que a epidemia de COVID-19 segue progredindo no Brasil, com possibilidade de interrupção das atividades cirúrgicas eletivas, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica - SBCO, vem pronunciar-se em relação ao diagnóstico e cirurgias de pacientes com #câncer.

 

    Considerando que o sistema de saúde no Brasil pode ficar sobrecarregado em breve. A SBCO sugere que #médicos e gestores, nos próximos dias, procurem estratégias para priorizar a realização de #procedimentoscirúrgicos em casos de #neoplasias reconhecidas por sua agressividade. Deve ser considerado que exames realizados para #doenças de baixa morbidade talvez possam ser postergados, mas essa decisão deve ser tomada caso a caso pelo #medico e seu #paciente.

 

    A #SBCO sugere que nas próximas duas semanas as equipes de #oncologia se mobilizem para realizar o máximo de #cirurgias possíveis, com segurança, de #pacientes com tumores de comportamento biológico agressivo, em que o atraso da cirurgias por 2 a 3 meses possa causar prejuízo aos resultados de sobrevida pretendidos, dentre eles, mas não apenas, casos de tumores de pâncreas, fígado e vias biliares, estômago, cólon e reto, pulmão, ovário avançado, endométrio avançado e melanoma. A definição desta priorização deve ocorrer pelo médico assistente de acordo com as políticas institucionais adotadas e esta recomendação se baseia nos dados disponíveis até o momento, podendo ser atualizada a qualquer momento.

 

    Para os casos de menor gravidade ou para os quais existam opções de tratamento capazes de tornar o postergamento do procedimento cirúrgico menos prejudicial, cabe a discussão do adiamento do procedimento face ao grave momento epidemiológico que enfrentamos, ainda preservando-se a autonomia da relação médico-paciente.

 

    A SBCO entende que é momento da sociedade como um todo unir-se e trabalhar em conjunto e de forma sabia e harmoniosa para atravessarmos este período adverso.

 

 

EPIDEMIA DE COVID 19: II

PRONUNCIAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA ONCOLÓGICA EM RELAÇÃO AO DIAGNÓSTICO E CIRURGIAS DE PACIENTES COM CÂNCER.

 

18 de março de 2020 (Este pronunciamento será atualizado a cada 2 dias)

 

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) vem atualizar seu pronunciamento em relação às cirurgias de pacientes com câncer. A epidemia de COVID 19 segue progredindo no Brasil, muitas regiões já suspenderam a realização de cirurgias eletivas. Em breve a suspensão deve atingir todo o país. Essas recomendações valem pelos próximos 2 dias.

 

O Brasil hoje pode ser dividido, basicamente, em dois tipos de regiões. Aquelas em que os casos de COVID19 ainda são importados de outras áreas e regiões com transmissão horizontal.

 

Recomendações para regiões apenas com casos importados, ou sem casos:

-    Imediatamente, médicos e gestores,  devem priorizar a realização de cirurgias em casos de neoplasias reconhecidas por sua agressividade, nas quais o atraso da cirurgias por 2 a 3 meses possa acarretar aumento da mortalidade pelo tumor. Dentre os tumores de maior agressividade, mas não apenas, casos de tumores de pâncreas, fígado e vias biliares, estômago, cólon e reto, pulmão, ovário avançado, endométrio avançado e melanoma.

-    Seguir com as consultas de casos novos, mas selecionar os pacientes que precisam seguir investigação e tratamento nesse momento.

 

Recomendações para regiões com transmissão horizontal:

-    Suspensão imediata de todas as cirurgias oncológica eletivas, para tumores de baixo risco.

-    Realizar cirurgias oncológicas apenas para pacientes com casos que caracterizem urgências, como em tumores extremamente agressivos, nos quais o atraso da cirurgia por 2 a 3 semanas pode resultar em óbito do paciente, ou em casos nos quais os sintomas ameaçam a vida.

-    Suspender todas as cirurgias plásticas reparadoras, que possam ser realizadas em segundo tempo.

-    Seguir com a realização de cirurgias oncológicas de emergência.

 

Recomendações para todo o Brasil:

-    Suspensão imediata das consultas e exames de acompanhamento de pacientes assintomáticos, até segunda ordem.

-    Consultas para checar exames solicitados em consultas de acompanhamento, previamente realizadas, podem ser realizadas por videoconferência.

-    Suspensão das cirurgias de pacientes com casos de menor gravidade ou para os quais existam opções de tratamento capazes de substituir ou postergar a cirurgia com segurança, considerando que o atraso da cirurgias por 2 a 3 meses não acarretará aumento da mortalidade pelo tumor.

-    Suspender cirurgias reparadoras que resultam em aumento do tempo cirúrgico e risco de complicações pós-operatórias e podem ser realizadas a posteriori.

-    Todos os pacientes e familiares que serão submetidos a cirurgia devem ser orientados sobre o risco de contrair a infecção no curso do tratamento

-    Os pacientes devem ser orientados a não frequentar desnecessariamente ambientes hospitalares, como emergências, consultórios, ambulatórios e outros.

 

 A SBCO confia no julgamento das equipes médicas para definir quais casos são graves a ponto de necessitarem de cirurgia imediata e quais serão postergados, considerando os expostos acima.

 

Não obstante, devem ser respeitadas as recomendações das secretarias de saúde e Ministério da Saúde, o código de ética médica e as determinações dos Conselhos de Medicina. 



EPIDEMIA DE COVID 19: III

PRONUNCIAMENTO SOCIEDADE BRASILEIRA DE CIRURGIA ONCOLÓGICA EM RELAÇÃO AO DIAGNÓSTICO E CIRURGIAS DE PACIENTES COM CÂNCER.


20 de março de 2020 (Este pronunciamento será atualizado a cada 2 dias)

 

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Oncológica (SBCO) atualiza seu pronunciamento em relação às cirurgias por com câncer durante a epidemia de COVID 19. O Brasil segue dividido, basicamente, em dois tipos de regiões. Aquelas em que os casos de COVID19 ainda são importados de outras áreas e regiões com transmissão horizontal.

 

Recomendações para regiões apenas com casos importados, ou sem casos:

-    Imediatamente, devemos priorizar a realização de cirurgias de pacientes com neoplasias reconhecidas por sua agressividade, nas quais o atraso da cirurgias por 2 a 3 meses possa acarretar aumento da mortalidade. Dentre os tumores de maior agressividade, mas não apenas, casos de tumores de pâncreas, fígado e vias biliares, estômago, cólon e reto, pulmão, ovário avançado, endométrio avançado e melanoma.

-    Seguir com as consultas de casos novos, mas selecionar os pacientes que precisam seguir investigação e tratamento nesse momento.

 

Recomendações para regiões com transmissão horizontal:

-    Suspensão imediata de todas as cirurgias oncológica eletivas, para tumores de baixo risco.

-    Realizar cirurgias oncológicas de pacientes caracterizados como urgências, com tumores extremamente agressivos, cujo atraso da cirurgia por 2 a 3 semanas pode resultar em dano maior irreversível ao paciente ou óbito.

-    Seguir com a realização de cirurgias oncológicas de emergência.

-    Avaliação de casos novos: Sugerimos uso de telemedicina para triagem dos pacientes que necessitam avaliação presencial e podem caracterizar-se como tumores de maior agressividade descritos acima. 

 

Recomendações para todo o Brasil:

-    Suspensão imediata das consultas e exames de acompanhamento de pacientes assintomáticos, até segunda ordem.

-    Consultas para checar exames solicitados em consultas de acompanhamento, previamente realizadas, podem ser realizadas por videoconferência.

-    Suspensão das cirurgias de pacientes com casos de menor gravidade ou para os quais existam opções de tratamento capazes de substituir ou postergar a cirurgia com segurança, considerando que o atraso da cirurgias por 2 a 3 meses não acarretará aumento da mortalidade pelo tumor.

-    Todos os pacientes e familiares que serão submetidos a cirurgia devem ser orientados sobre o risco de contrair a infecção no curso do tratamento

-    Os pacientes devem ser orientados a não frequentar desnecessariamente ambientes hospitalares, como emergências, consultórios, ambulatórios e outros.

 

A SBCO confia no julgamento das equipes médicas para definir quais casos são graves a ponto de necessitarem de cirurgia imediata e quais serão postergados, considerando os expostos acima. Dilemas terapêuticos precisam ser individualizados, abordados com base na opinião dos especialistas e na decisão compartilhada.

 

Não obstante, devem ser respeitadas as recomendações das secretarias de saúde e Ministério da Saúde, o código de ética médica e as determinações dos Conselhos de Medicina.

Eventos

30/04

à 02/05

8º Congresso do Colégio Brasileiro de Cirurgiões Setor IV

Rua: Avenida Barao do Rio Branco Número: 2000 - Juiz de Fora - MG

06/08

à 08/08

SOBRICE 2020

Centro de Convenções Rebouças - São Paulo

17/08

à 20/08

SSO 2020

Boston, Massachusetts

20/08

à 22/08

04/09

à 05/09

II Congresso Brasil-Germânico de Oncologia

Rua Treze de Maio, 1.815 - Torre E, 1° subsolo - São Paulo

24/09

à 26/09

16/10

à 17/10

I Simpósio Internacional de Oncologia de Brasília.

Brasil 21 Centro de Eventos e Convenções

20/11

à 21/11